6.1.09

Te vê

Não sou fã de novelas.

Volta e meia faço piadas em cima disso (os cabelos esquisitos das atrizes, as roupas esquisitas, os esmaltes espalhafatosos, tudo feito para o povão comprar mesmo o que é feio e vulgar).

Acho tudo muito forçado para arrancar emoção do espectador. Falta sutileza, cuidado, bom-gosto, realismo.

Raras vezes é possível ver boas cenas, feita por atores que não precisam de cacoetes, bordões, figurino extravagante.

Meses atrás vi uma cena de Glória Menezes e Tarcisio Meira, pelo que entendi, o casal de personagens se ama mas passou a vida toda separada (meu namorado vê novela, então, volta e meia absorvo o que me chama atenção, mas nunca sei a história toda) e estava meio que acertando as contas, conversando sério, fazendo um balanço de como eles chegaram a uma idade avançada resistindo a um amor tão forte e inabalável. É público e notório que o casal de atores está junto há muito tempo. Talvez por isso, por se conhecerem não só pessoal mas profissionalmente, foi uma cena belíssima, digna de cinema. Cena sem trilha dramática, só um texto sincero, sem firulas, interpretado por atores que fazem o que fazem porque são bons e fizeram tudo na calma e na tristeza que um tema desses merece. Até chorei, achei lindo.

Lembro também que eu gostava muito das cenas de Wagner Moura numa novela aí (não vou lembrar o nome, desculpem), em que ele não media esforços para fazer um canalha realista, do tipo de gente que, infelizmente, a gente pode conhecer de verdade: pessoa sem caráter, mas falha e cheia de rancores e mágoas mas capaz ainda de fingir boa educação e gentileza quando lhe convia. Achava bárbaro, mas, de novo, eu morria de preguiça de esperar o capítulo todo para vê-lo atuar.

Mas só. Vejo pedaços de outras novelas e me falta entusiasmo, acho piegas, acho que a dramaturgia brasileira há muito descambou para o novelão mexicano, com personagens exagerados, dramas profundos e rebuscados, amores tããão difíceis de se realizar que dão até... preguiça.

O próprio novelão mexicano já aprendeu a rir disso com a bem sucedida novelinha "Betty, a feia", que ganhou versões em vários países de língua espanhola e conquistou os figurões da tv americana que muito abastece os latinos, produzindo uma série tão divertida quanto emocionante. Faz piada de uma cultura misturada e exagerada e ao mesmo tempo critica o consumismo cego (como o que citei no começo do texto) e a obssessão contagiosa com a magreza e a beleza a todo custo, mas com coração e sincera, sem medo de se criticar e ao mesmo tempo de divertir e emocionar. A Record comprou os direitos para fazer a versão brasileira. Vamos ver se não acabamos por ganhar de presente mais uma produção típica da Telefe+SBT...

Ontem vi o capítulo inicial de "Maysa, quando fala o coração". Vi porque a história promete: mulher ousada, como poucas foram ou são; cantora primorosa e apaixonada; vida pessoal conturbada e alterada quimicamente. Praticamente uma Johnny Cash de saias e brazuca.

Mas que preguiça que me deu quando eu soube que o filho da cantora em si dirigiria a minissérie...

E ontem comprovei que eu deveria ter tido mais preguiça e não visto a minissérie.

A premissa é boa, o investimento foi grande, mas é uma novela!

Os textos exagerados, pouco plausíveis para uma vida real, mesmo numa discussão calorosa.

Maysa remoendo a tal discussão com a fala sendo reptida in-off... novelããão!

Figurinos bons mas nada que já não tenha sido visto antes.

Elenco competente, mas nada avassalador. A atriz é mesmo muito parecida a Maysa, mas me parece que falta carga emotiva, falta experiência e falta esconder mais o sotaque gaúcho que não cabe numa mulher ponte-aérea Rio-SP.

E os pais de Maysa? Bom casal de atores, mas o quê, foram conservados no éter?! Não orna: a atriz fazendo a Maysa adolescente, jovem e aos 40 e os pais com a mesma cara, o mesmo cabelo. Puxa, falha grave!

Enfim, mais desgostei do que gostei.

Já estou achando muito ruim que esta minissérie vai atrasar em muito a entrada de "Lost" semana que vem... (que eu já vi a 4ª. temporada faz tempo, mas sou nerd, vejo quantas vezes for possível e de preferência na tv 29'' e não no monitor 15''...)

2 comentários:

Carol Valério disse...

Oi Carol, gostaria de compartilhar com você o que penso sobre novela... Eu até me prendo muito fácil, me empolgo com as histórias, talvez porque algumas retratem algo na minha vida que aconteceu e marcou, ou que eu gostaria que acontecesse; mas também critico as expressões forçadas, o melodrama, o forçar a barra... Tem muita gente bonitinha na tela (alguns bem bonitões!rs), mas beleza não é tudo, falta experiência, cumplicidade, emoção. E final de novela é tudo igual... Como essa semana está me deixando louca! Que horror... A novela que foi minha favorita por alguns momentos devido às críticas bem realistas agora me faz sentir com tempo perdido depois que termina o capítulo. É por isso que eu estou preferindo utilizar meu tempo para rever os episódios de Friends da Warner que assistir novela. Pelo menos eu já sei o que vai acontecer, mas me divirto! Ainda tiro o chapéu para Cold Case e The Mentalist... Casos policiais, inteligentes, interessantes, e que valem muito mais a pena! Parabéns pelo post.

www.simplescarol.com.br

alerts disse...

It seems my language skills need to be strengthened, because I totally can not read your information, but I think this is a good BLOG
jordan shoes